NOTÍCIAS

Quase 500 pessoas participam do 2º Encontro Municipal de Cuiabá contra a LGBTQIfobia 

O 2º Encontro Municipal de Cuiabá contra a LGBTQIfobia aconteceu na noite de quarta-feira (29) e contou com a participação de quase 500 pessoas que acompanharam o debate sobre o tema: “Respeitando a Diversidade, lutando contra a intolerância e combatendo o preconceito” – por meio de uma live transmitida pelas redes sociais da Prefeitura de Cuiabá. O evento foi idealizado pela Secretaria de Assistência Social, Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência,  por meio da Secretaria Adjunta de Direitos Humanos.

Adjunta de  Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência,Christiany Fonseca, pontuou que discussões sobre este tema são válidas para  que a sociedade civil compreenda quais são as sensibilidade e vulnerabilidades do público para que seja criadas políticas públicas para esse grupo social. “Esse é o mês do Orgulho LGBT, mas infelizmente quando a gente se remete ao Brasil, a Mato Grosso, Cuiabá, a ainda temos pouco a se orgulhar. O Brasil é um dos países que mais mata LGBTs, Mato Grosso é o  segundo estado que mais mata LGBTs. A gente só perde para o Alagoas. E Cuiabá é a 7º cidade no estado que mais mata LGBTs e violenta LGBTs. Isso é sinal que precisamos dialogar muito. Uma ação  como esta  serve para que dialoguemos com a sociedade civil para compreender quais são as sensibilidades e vulnerabilidades e vai possibiltar que pensemos em efetivas políticas públicas. Essa é a nossa perspectiva quando levantamos um ponto como este. A Prefeitura de Cuiabá já disse não a LGBTFobia, quando  criou o Programa Incluiabá, que contrata homens trans, gays , lésbicas e travestis e  quando fortalece o Conselho MUnicipal de Atenção à Diversidade  Sexual. São pontos fundamentais para pensarmos. A  população LGBT é muito vulnerável”. O presidente do Conselho Municipal de Atenção à Diversidade Sexual de Cuiabá, Valdomiro Arruda, comenta sobre a importância de discutir o tema para combater a violência e homofobia. “São palestrantes que conhecem a realidade, sabem dos reais anseios. A discriminação existe, a violência existe,  o entretenimento  não existe. Ficamos à mercê do poder público. Queremos viver sonhos. Somos iguais a todo mundo. Estamos falando para fora, para os héteros, não é só para nós, é para que todos saibam o que está ocorrendo porque homofobia é crime”, lamentou ele.  A coordenadora do grupo Mães pela Diversidade, Josiane Marconi, cita  a importância do evento na luta contra a transfobia, principalmente em Mato Grosso Cuiabá,  que já foi considerada uma das capitais mais violentas do mundo e o Brasil é o país que mais mata. “Para uma mãe  que tem um filho (a) LGBT é uma dor muito grande, uma preocupação. Aliás,  o que mais nos une é o medo de como nossos filhos serão tratados, se vão arrumar emprego, se os seus direitos serão garantidos. Somos nós, as mães, que choramos quando nossos filhos são assassinados. Parem de matar. Parem de humilhar nossos filhos. São pessoas que só querem viver e amar. Muitos pregam o amor de Deus, mas, Deus é amor, não é ódio”.  Participaram do encontro:  o fundador da Movimentação LGBTQA+ em MT, professor Clóvis Arantes, a professora do departamento de Serviço Social da UFMT,  Dr. Lélica Elis Pereira de Lacerda, Tenente-coronel PM e secretário do Grupo Estadual de Combate aos Crimes de Homofobia, Ricardo Bueno, a secretária adjunta de Educação, Débora Marques Vilar e Juarez França, do Conselho Municipal da Juventude.   

 

Para assistir a live acesse aqui.