NOTÍCIAS

Iniciada instalação de usinas fotovoltaicas no Terminal Santo Antônio

A Prefeitura de Sorocaba, por meio da Urbes – Trânsito e Transportes e em parceria com a CPFL Piratininga, iniciou a instalação de usinas fotovoltaicas no Terminal Santo Antônio (TSA). Os trabalhos são realizados durante os períodos da noite e madruga, para não gerar incômodos aos usuários, e devem prosseguir até o próximo dia 26 de julho. Na sequência, haverá a instalação dos mesmos dispositivos no Terminal São Paulo (TSP).

A implantação das usinas não tem custos à municipalidade, pois a Urbes foi contemplada em chamada pública de projeto de eficiência energética da CPFL Piratininga, garantindo a liberação de R$ 700 mil para investimento em ações nessa área. No total, a iniciativa vai gerar uma economia anual de aproximadamente R$ 90 mil aos cofres públicos, nas despesas com consumo de energia elétrica nesses terminais.

O programa inclui, também, a troca de lâmpadas por modelos mais econômicos, com tecnologia de LED. Nos dois terminais, serão substituídas, ao todo, 259 lâmpadas e instaladas 270 placas fotovoltaicas (140 no TSA e 130 no TSP) sobre a cobertura de cada um deles.

Os serviços no TSA começaram na última segunda-feira (4), sendo executados das 0h30 às 4h, por equipe da empresa Volts Ampere Engenharia. Tem sido utilizada uma plataforma articulada para a colocação das estruturas na cobertura do terminal, no ponto sobre as plataforma 5 e 6.

Desde terça-feira (5), o horário de trabalho foi ampliado e prossegue das 22h às 5h. Durante o dia, a plataforma elevatória é isolada e mantida na calçada, ao lado da cabine de saída de ônibus da linha expressa. A instalação das usinas fotovoltaicas no TSP estão previstas para começar no dia 20 de julho, avançando até 7 de agosto, com os serviços ocorrendo também das 22h às 5h.

O sistema de usina solar dos dois terminais de ônibus terá capacidade para gerar potência de até 108 kWp (quilowatt/pico). O consumo habitual de energia elétrica nos dois terminais é de 609,72 MWh/ano (Megawatt por ano), sendo que a economia gerada por meio das placas fotovoltaicas e da modernização da iluminação será de 213,1 MWh/ano, o que representa 34% do total consumido.

A nova tecnologia, ainda, permitirá redução na emissão de 13,15 toneladas por ano de dióxido de carbono (CO2), equivalente ao plantio de 162 árvores. “Estamos na vanguarda, investindo em energias limpas e em economia ao Poder Público. Trata-se de inovação, promovida em parceria com a iniciativa privada, a custo zero ao município”, aponta o diretor-presidente da Urbes, Sergio Barreto.